e-commerce cama mesa e banho

Quem tem loja virtual no Brasil, a exemplo de um e-commerce de cama, mesa e banho, já pode comemorar, pois os brasileiros estão entre os maiores consumidores digitais. Em 2018, o país teve o maior faturamento da América Latina em vendas pela internet.

A categoria de casa e decoração é uma das mais promissoras, apresentando progressos a cada avaliação. Nesse mesmo ano, por exemplo, o crescimento foi de 16% em relação a 2017. O ticket médio do segmento também obteve bom resultado: R$391,00.

Os dados apresentados são das 39ª e 40ª edições do relatório Ebit/ Webshoppers, considerado um dos principais estudos quando o assunto é vendas online.

Reunimos aqui, para você, alguns exemplos de boas práticas sobre como vender mais e melhor, de modo a aproveitar a oportunidade desse nicho e fazer seu e-commerce de cama, mesa e banho alcançar o sucesso que ele merece. Confira!

Dicas para vender mais produtos de cama, mesa e banho

1. Foque em imagens de qualidade

A seleção das imagens é uma das etapas mais importantes no processo de venda pela internet. São elas as responsáveis pelo impacto inicial no público, estimulando (ou não) o consumidor a ter mais curiosidade sobre o item. É importante ter em mente que, diferentemente da compra em loja física, o cliente não pode analisar a mercadoria de perto na internet.

Assim, tenha atenção à qualidade da foto. Ela precisa refletir a realidade do produto, de modo a mostrar cores reais e a proporção em relação às dimensões. Os detalhes de fundo e de cenário do ambiente também fazem a diferença. Pense em combinações harmônicas e belas, visto que elas aumentam a sensação de satisfação.

2. Capriche na descrição dos produtos

Junto da imagem, a descrição do item supre parte da lacuna de uma compra online. Enquanto a foto é responsável por atrair o público nos primeiros segundos, a resenha contribuirá para a conversão. Ela precisa completar o que a imagem não conseguiu demonstrar.

Dessa forma, considere retratar as características objetivas e subjetivas do produto. As primeiras têm a ver com os detalhes mais práticos, como cor, dimensões, estampas, tecidos e indicações para, por exemplo, os tipos de cama (solteiro, casal, king size). Já os segundos aspectos simbolizam as sensações provocadas pela mercadoria. Elas influenciam nas emoções, que são as grandes motivadoras de uma compra.

Nesse caso, invista em adjetivos que representem algum dos 5 sentidos, como “macio”, “suave” e “toque de seda”. Qualidades que evidenciam as experiências que o consumidor poderá ter também são bem-vindas. Expressões como “sono da beleza”, “sono reparador” ou “dormir nas nuvens” são boas opções.

3. Pense na usabilidade do site

O site precisa contar com boa experiência de compra. Isso se resume às percepções do usuário ao entrar em contato com a empresa. Lembre-se de que o cliente tem várias opções fáceis na internet, podendo pesquisar o mesmo produto no concorrente em questão de segundos. Uma página confusa ou que demora para carregar é motivo suficiente para a desistência.

Assim, pense na organização da página. Ela precisa estar estruturada, de maneira intuitiva, com categorias e subcategorias de produtos. Uma sugestão é dividir o menu em 3 classes principais: uma para cama, outra para mesa e a terceira para banho. A partir disso, insira subclassificações, como por cor, tecido, tamanho, estampa etc.

Tenha atenção, também, aos botões principais, que ajudam o cliente na conversão. Alguns importantes são: “adicionar à sacola”, “comprar”, “verificar frete”. O checkout, da mesma forma, merece cautela. Evite exigir informações desnecessárias, de modo a não deixar o preenchimento longo e cansativo.

Outro ponto essencial é não esquecer da navegação mobile. De acordo com o SPC Brasil, 74% dos usuários realiza ao menos uma das etapas da compra por smartphones e tablets. Desmerecer tais aparelhos é perder potenciais clientes.

4. Olhe para o mix de produtos

Como anda a variabilidade dos seus produtos? Ter várias opções de mercadorias costuma agradar os consumidores, que podem contar com mais possibilidades no momento da aquisição. Além disso, investir em um mix grande pode ser estratégico para atrair mais perfis.

Pense, por exemplo, em estampas lisas, românticas, xadrez, geek, minimalista. Já que ousar e colocar a criatividade para funcionar costuma dar resultados positivos, que tal incluir roupas para cama dos pets? Almofadas para o público religioso e toalhas de banho personalizadas para os frequentadores de academia são outras ideias para ampliar as oportunidades.

Investir em itens de decoração, que ornem com os produtos, também é uma boa prática, podendo ajudar na estratégia de upsell. Além disso, garanta a disponibilidade dos itens. Para isso, trabalhe com fornecedores responsáveis, que possam atender suas necessidades com rapidez e qualidade.

5. Insira um campo de avaliação

Essa prática é recomendada por 2 motivos. O primeiro é por ser uma espécie de gatilho mental. Ao ler avaliações positivas, o consumidor verifica que a mercadoria foi aprovada por outras pessoas. Esse fator aumenta a confiança na aquisição.

Outra razão é evitar trocas e devoluções. Os depoimentos possibilitam aos novos consumidores verificarem se a mercadoria tem viabilidade de ser o que eles realmente procuram. Isso diminui os custos da loja com a logística reversa e aumenta as chances de satisfação com a compra.

6. Não perca oportunidades de canais

Contamos com infinitos meios de vendas pela internet. Os sites, apesar de serem considerados importantes, não são os únicos. Redes sociais, por exemplo, são investimentos promissores, já que ajudam a aproximar marcas dos consumidores.

Já demos essa sugestão no artigo sobre como vender bolsas, mas ela também vale aqui. Marketplaces também são ótimos locais, pois auxiliam as empresas a ganharem visibilidade e atraem um público já formado que confia nesse espaço para as compras. Então, não deixe essa alternativa de lado.

7. Fique de olho nas tendências

É importante acompanhar as evoluções tecnológicas com relação às vendas online. Os chatbots, por exemplo, têm sido cada vez mais implementados. Eles permitem aos consumidores o contato imediato para tirar dúvidas ou tratar de outros assuntos relevantes.

O omnichannel, por sua vez, é uma estratégia com o objetivo de unificar todos os canais, de modo a melhorar a experiência de compra. Nela, um cliente que realiza a aquisição pelo e-commerce, por exemplo, passa a contar com a possibilidade de realizar uma troca no comércio físico, caso faça sentido.

A inteligência artificial é outro ponto que tem sido praticado pelas marcas. A realidade aumentada, por exemplo, tem ajudado a transformar toda a experiência do cliente ao permitir que ele visualize como ficaria determinada decoração em sua casa.

Aproveite as vantagens que o segmento proporciona!

As vendas pela internet proporcionam diversas vantagens. Para o consumidor, maior comodidade e mais disponibilidade, já que a loja fica aberta 24 horas por dia. Para o comerciante, gastos mais baixos que o de um comércio físico e grandes chances de lucro.

Como vimos, o e-commerce de cama, mesa e banho é um dos mais promissores para quem deseja investir no empreendimento digital, já que é um dos segmentos mais representativos no crescimento. Contudo, o sucesso só chega para quem está por dentro das boas práticas de vendas — como essas que acabamos de mencionar.

Gostou do conteúdo? Então, você também terá interesse em saber o que vender na internet em 2020!

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui