Begin typing your search above and press return to search. Press Esc to cancel.

O que é e-commerce: guia DEFINITIVO para ser um especialista!


O que é e-commerce: guia DEFINITIVO para ser um especialista!

O e-commerce é um tema que vem ganhando visibilidade nos últimos anos. O termo é uma abreviação de electronic commerce, que, na tradução do inglês, significa comércio eletrônico. Ele refere-se às transações comerciais realizadas totalmente pela internet – por meio de computadores, tablets ou celulares – e também aos sites de venda online de marcas próprias.

Contrate o olist agora mesmo

O que é e-commerce e para que serve

É importante reforçar que há diferenças entre as categorias de comércio online, especialmente em relação a e-commerces e marketplaces. Um e-commerce propriamente dito vende produtos de uma única loja, enquanto os marketplaces trabalham com diferentes lojistas, servindo de intermediador entre eles e os clientes – adiante, falaremos mais sobre isso.

O comércio virtual tem se mostrado uma excelente alternativa para as empresas que desejam ganhar visibilidade, alcançar novos públicos, trabalhar com produtos de nicho, reduzir os gastos e aumentar as vendas. Junto a isso, uma parcela cada vez maior da população tem se tornado adepta das compras online devido a fatores como facilidade e boas promoções.

Atualmente, é possível vender praticamente qualquer tipo de produto pela internet, incluindo alimentos, automóveis e imóveis. Não à toa, muitas empresas tradicionais do varejo físico estão investindo no e-commerce próprio para reforçar a presença digital, acompanhar as tendências do mercado e oferecer ao público soluções mais práticas e tecnológicas.

No próximo tópico, explicamos um pouco mais sobre os tipos de e-commerce. Acompanhe!

Tipos de e-commerce

Agora que você já sabe como o comércio eletrônico é relevante para os mercados brasileiro e mundial, é hora de entender um pouco mais sobre os principais modelos de e-commerce utilizados pelos lojistas. A seguir, explicamos também quais são as diferenças entre e-commerce e marketplace. Confira!

B2B (Business to Business)

O e-commerce B2B é aquele relacionado ao comércio entre empresas. Na prática, são marcas que têm como clientes outras marcas, não conversando diretamente com o cliente final. Esse modelo geralmente engloba produtos como matérias-primas, peças de automóveis e maquinários, mas também pode abranger outros tipos de mercadorias, desde que sejam para outras empresas.

A relação comercial B2B tem certas especificidades, como público-alvo restrito, transações com maior volume financeiro e processo de compra mais complexo e burocrático. O Olist é um exemplo de negócio B2B, já que tem um serviço exclusivo focado em lojistas que desejam vender em marketplaces.

B2C (Business to Consumer)

O modelo B2C é o mais tradicional e corresponde às transações realizadas entre empresas e consumidores finais. Ou seja, toda loja que vende os seus produtos diretamente aos clientes entra nesta categoria. Por essa razão, a estratégia B2C é adotada pela maioria dos varejistas tradicional, que não precisam de intermediadores para atender aos clientes.

Algumas das características do B2C são: público-alvo amplo, maior número de consumidores e ticket médio geralmente mais baixo. Este modelo também permite que os lojistas trabalhem com inúmeras categorias e vendam uma infinidade de produtos. Um exemplo de e-commerce B2C é a Adidas.

C2C (Consumer to Consumer)

O comércio C2C, por sua vez, é realizado entre consumidores finais, que comercializam produtos entre si. É uma relação mais informal que as anteriores, já que pode acontecer por meio de redes sociais e fóruns de discussão. Porém, há muitos sites conhecidos que intermediam transações entre os clientes, como o Ebay, o Enjoei e o Mercado Livre.

Uma prática comum neste modelo é o comércio de itens usados em páginas de venda e troca de produtos, funcionando como “brechós online”. Transações desse tipo tendem a abranger um público amplo e ter um ticket médio mais baixo.

D2C (Direct to Consumer)

O comércio atacadista representa bem o modelo D2C, que é realizado entre fabricantes e consumidores finais. Por meio dele, o cliente pode comprar diretamente do fornecedor, pagando valores mais acessíveis – por isso o termo “preço de fábrica”. As empresas vendedores podem ser, além de fabricantes, indústrias, franqueados, distribuidores, entre outros.

Algumas das categorias que vêm trabalhando com este tipo de relação comercial são as de roupas e calçados, têxtil, eletrodomésticos e automóveis. A Tesla é uma marca que trabalha com o comércio D2C, já que vende os seus carros diretamente para os clientes finais, sem mediação de concessionárias.

Diferenças entre e-commerce próprio e marketplace

Muitos lojistas têm dúvidas sobre o que diferencia os e-commerces próprios dos marketplaces. Peor essa razão, nós preparamos um infográfico especial para explicar tudo sobre as características de cada modelo de negócio! Veja a seguir e tire as suas dúvidas.

E-commerce próprio

O e-commerce funciona como uma loja virtual e representa um excelente canal de venda online para as empresas. Na prática, significa que o lojista pode comercializar os seus produtos por meio de um site exclusivo e personalizado e, se preferir, centralizar ali as suas operações. Alguns vendedores utilizam o e-commerce como fonte alternativa de vendas, associando-o a loja física, por exemplo – esse é o caso da Melissa.

Uma infinidade de mercadorias pode ser vendida por meio dos e-commerces, que abrangem praticamente todo tipo de categoria. Produtos como roupas, artigos de decoração, brinquedos, eletroeletrônicos e até alimentos podem ser vendidos pela internet atualmente. Alguns dos exemplos de e-commerces brasileiros são os sites Amaro, Boticário e Reserva.

Abaixo, apresentamos os principais benefícios do e-commerce próprio:

  • Centralização: O lojista tem total controle sobre o processo de venda, desde a definição do layout do site até o atendimento ao consumidor final.
  • Autonomia: A loja tem a liberdade de personalizar o site de acordo com a identidade da marca e investir em campanhas promocionais e de marketing.
  • Gestão de marca: Essa é uma boa estratégia para tornar a marca mais conhecida, estreitar a reputação com o público e ganhar reputação online e offline.
  • Destaque: Por ser um espaço de venda de uma única loja, a marca não terá que dividir espaço com concorrentes.

Marketplace

Ao contrário dos e-commerces próprios, os marketplaces funcionam como shopping centers virtuais, nos quais lojistas de diferentes marcas e localizações podem vender os seus produtos. Isto é, eles fazem papel de intermediadores nas transações entre empresas e consumidores. Com isso, os clientes conseguem encontrar em único canal produtos de inúmeras categorias e diferentes marcas.

Há marketplaces que trabalham com segmentos diversos, como o Mercado Livre, mas existem também os que são especializados em nichos, a exemplo do Elo7, focado em artesanato. Com o crescimento do modelo, grandes redes varejistas passaram a abrir espaço para outros lojistas anunciarem produtos, como é o caso da Saraiva.

As principais vantagens desse tipo de negócio são as seguintes:

  • Alta visibilidade: Os principais marketplaces brasileiros recebem milhões de visitantes mensais, o que é excelente para a exposição dos produtos.
  • Abrangência geográfica: O lojista tem a possibilidade de divulgar a marca para clientes de todo o país, ampliando a região geográfica de atuação.
  • Portfólio variado: As lojas podem trabalhar com produtos de diversas categorias, sem precisar restringir o portfólio a poucos produtos/segmentos.
  • Facilidade tecnológica: Em troca do pagamento de uma comissão pelas vendas, o lojista pode aproveitar a estrutura tecnológica já pronta dos marketplaces.

Lista dos principais e-commerces do Brasil e do mundo

Preparamos uma lista, em ordem alfabética, com alguns dos principais e-commerces do Brasil e do mundo. Confira!

  1. Alibaba
  2. Aliexpress
  3. Amazon
  4. Americanas.com
  5. Apple
  6. Booking.com
  7. Boticário
  8. C&A
  9. Carrefour
  10. Casas Bahia
  11. Dafiti
  12. eBay
  13. Elo7
  14. Enjoei
  15. Extra
  16. Fast Shop
  17. Gearbest
  18. Ifood
  19. Ingresso.com
  20. JD
  21. Livraria Cultura
  22. Lojas Renner
  23. Magazine Luiza
  24. Mercado Livre
  25. Netshoes
  26. Otto
  27. Peixe Urbano
  28. Ponto Frio
  29. Priceline
  30. Rakuten
  31. Rede Natura
  32. Saraiva
  33. Shoptime
  34. Submarino
  35. Walmart
  36. Wish
  37. Zalando
  38. Zattini

Ainda tem dúvidas sobre o que é e-commerce? Compartilhe conosco nos comentários!


O que é e-commerce: guia DEFINITIVO para ser um especialista!
5 (100%) 14 votos

+ Nenhum comentário

Adicione o seu