Begin typing your search above and press return to search. Press Esc to cancel.

Guia COMPLETO: o que é varejo e as suas principais tendências


Guia COMPLETO: o que é varejo e as suas principais tendências

Foi-se o tempo em que bastava apenas abrir uma loja física com vários produtos em uma boa localização para ganhar dinheiro. Hoje, conquistar o sucesso de vendas é uma tarefa bem mais trabalhosa. O primeiro passo em direção a esse objetivo é entender o que é varejo e os atuais desafios existentes nesse setor.

O avanço da tecnologia trouxe novas oportunidades de negócio e muitas dúvidas também. É preciso compreender as mudanças que ocorreram ao longo dos anos e quais são as principais novidades e tendências. O objetivo é se adaptar a elas, ter competitividade no mercado e se destacar da concorrência.

Pensando nisso, preparamos este guia completo para mostrar a você o que é varejo e quais as vantagens de investir no comércio. Além disso, apresentamos a diferença entre loja online e loja física e explicamos o que fazer para conciliar as duas. Acompanhe a leitura!

Conheça o Olist

Entenda o que é varejo

Basicamente, o varejo pode ser definido como a venda de produtos e serviços para o consumidor final com a finalidade de utilização doméstica. Os comerciantes compram os produtos dos fabricantes e de atacadistas. O objetivo é revender para o consumidor final. Podemos considerar 3 tipos de varejos, que detalharemos um pouco mais a seguir.

Varejista de loja física

O varejista de loja é o tipo de comércio que conta com um estabelecimento físico para as vendas dos produtos. Existem diversos formatos para esse modelo, entre eles:

  • marcas especializadas, que vendem mercadorias de um só fabricante ou um só tipo de produto, por exemplo.
  • lojas de departamentos, que vendem diversas linhas de produtos classificadas por seções.
  • lojas de fábrica, que comercializam produtos de fabricação própria.
  • supermercados, voltados à venda de produtos alimentícios.
  • hipermercados, vendem produtos alimentícios e outros artigos.

Varejo sem loja

Há também a modalidade do varejo sem loja. Trata-se da venda de produtos ou serviços por empresas que não possuem loja física. Assim como no modelo anterior, esse tipo de comércio também conta com algumas variações, entre elas:

  • telemarketing, que oferecem produtos ou serviços por meio de contatos telefônicos.
  • venda direta, em que vendedores autônomos fazem a famosa venda porta a porta por meio da demonstração de mercadorias.
  • venda online ou varejo virtual, em que os produtos são oferecidos por meio da internet em sites ou plataformas especializadas.

Organizações de varejo

Essa modalidade apresenta diversas lojas que pertencem a um mesmo grupo ou organização e, em função disso, conseguem maior vantagem competitiva. Alguns exemplos são:

  • rede corporativa, modelo em que diversas lojas pertencem a uma única empresa ou grupo e que vendem produtos semelhantes;
  • cooperativa de varejo, em que varejistas independentes se unem para obter melhores condições de compra;
  • franquia, na qual há uma relação contratual entre o franqueador e o franqueado.

Saiba quais são os desafios de atuar no varejo

Agora que você sabe o que é varejo, acompanhar a evolução do mercado é essencial para se manter competitivo em meio a tanta concorrência. O uso da tecnologia proporcionou aos clientes diversas facilidades que os tornaram cada vez mais exigentes.

Antes, o consumidor saía de casa em busca dos produtos que necessitava, enquanto hoje essa informação está na internet e, muitas vezes, a compra é feita por meio desse canal. Em função disso, é preciso encontrar formas de atrair o cliente para a loja, tanto a física quanto a virtual.

Para isso é preciso estudar o mercado, ou seja, entender o comportamento dos concorrentes, o que eles oferecem, bem como avaliar o perfil do consumidor. Dessa maneira, é possível identificar o que deve ser feito para ter vantagem competitiva sobre a concorrência e, assim, atrair o cliente para a loja.

Existem alguns conceitos importantes e que devem ser aplicados para aumentar a competitividade no mercado. Confira os principais a seguir.

Transformação digital

A tecnologia está presente no dia a dia das pessoas e não há como fugir disso. Por isso, qualquer loja que queira ampliar os horizontes deve investir em recursos tecnológicos que facilitem a vida do consumidor e a organização da empresa.

Existem diversas soluções no mercado capazes de atender às mais variadas necessidades de negócio. Além disso, a popularização de tecnologias, como a computação em nuvem, facilitou o acesso a uma série de serviços. Atualmente, eles podem ser contratados com preços bem vantajosos, como softwares de gestão, plataformas de e-commerce, soluções de inteligência artificial, entre outras.

Ações de marketing

Para se destacar no mercado é preciso fazer com que a presença da loja seja notada. Para isso, é essencial investir em ações de marketing. Os grandes varejos investem em um estilo de marketing que tem o objetivo de se aproximar do cliente, isto é, promovem ações para fazer parte da rotina das pessoas.

Para não ficar atrás da concorrência, é preciso promover ações que busquem a conexão com o cliente, ou seja, encontrar formas para que ele se identifique com a loja. Uma maneira de fazer isso é investir em estratégias de marketing de conteúdo, por exemplo.

O marketing de conteúdo permite que a loja engaje o público-alvo por meio da produção de conteúdo de qualidade e relevante para o cliente. Ou seja, mediante canais específicos, como blog, redes sociais e E-mail Marketing, por exemplo, é possível apresentar informações úteis capazes de criar uma conexão entre a loja e o consumidor.

Confira como foi o crescimento e a evolução do varejo

O avanço da tecnologia é um dos fatores que mais contribuíram para a evolução do varejo nos últimos tempos. A grande mudança ocorreu com a popularização da internet e o surgimento de novas tecnologias que possibilitaram a criação de um varejo muito mais dinâmico.

Podemos dizer que a evolução do varejo é marcada pela criação do comércio eletrônico, que também teve o desenvolvimento definido por 3 fases distintas. A popularização da internet em meados dos anos 1990 permitiu o surgimento de muitas empresas. Entretanto, nem todas conseguiram sobreviver em função de má organização.

Outra fase surgiu com a chegada e a popularização da banda larga, que permitiu que as pessoas passassem mais tempo na internet. Com isso, novas empresas começaram a se desenvolver de forma organizada para conquistar esse novo nicho de mercado.

Agora, a mobilidade abriu novas oportunidades de negócio e facilitou ainda mais a conectividade das pessoas, o que fez com que o varejo também investisse nesse canal. Atualmente, temos varejistas que estão no mercado desde o início, que evoluíram ao longo dos anos e que se tornaram grandes marketplaces.

O PayPal e a Big Data Corp realizaram uma pesquisa sobre o Perfil do E-commerce Brasileiro entre 2018 e 2019 e, segundo os dados apurados, o número de lojas virtuais aumentou 37,59%. Com isso, a quantidade de sites voltados à venda pela internet está em torno de 930 mil. Segundo a pesquisa, esse foi o maior aumento desde 2014.

Com base nisso, vemos como é expressivo o número de lojas virtuais no país. Por isso, é preciso que o comerciante entenda a importância do e-commerce para aumentar as vendas e ser mais competitivo.

Conheça as vantagens de investir no varejo

A Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC ) publicou a 5ª edição do ranking das 300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro referente ao ano de 2018. De acordo com o levantamento, o país tem mais de 120 varejistas que faturam acima de R$1 bilhão de reais.

Outro dado importante da pesquisa revela que 64,83% das empresas que também estiveram no ranking em 2017 venderam acima da inflação, que foi de 3,75% em 2018. Esses números demonstram como o setor do varejo pode ser bem lucrativo. Além disso, indicam que o uso da tecnologia é um fator determinante nesse cenário. Isso porque usando as ferramentas corretas é possível entender e acompanhar a jornada do consumidor e buscar formas de se diferenciar no mercado.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apresentou uma análise sobre o cenário das lojas físicas e do comércio eletrônico no país durante o primeiro Encontro de E-commerce – A Realidade do Novo Comércio, promovido pela Fecomércio-DF em outubro de 2019. De acordo com essa análise, o comércio eletrônico é um grande aliado para as lojas físicas no propósito de aumentar as vendas e a divulgação dos produtos, além das oportunidades de negócios. Portanto, investir no varejo online é uma forma de tornar a atividade ainda mais lucrativa. 

Confira as diferenças entre loja online x loja física

Entre a loja online e a física existem algumas diferenças que vão desde a criação até a forma de atendimento ao cliente. Confira quais são elas:

Ponto de venda

Na loja física é preciso abrir um estabelecimento físico, o que representa um investimento inicial maior para a fase de abertura. Além disso, nesse modelo há a necessidade de que os clientes mantenham um contato físico com os produtos à venda. Portanto, é preciso considerar o investimento nos produtos que servirão para exposição/demonstração e pronta-entrega.

Já a loja virtual não necessita de um ponto de venda, sua criação é mais simples — basta criar um domínio e um site. Nesse modelo não há a necessidade de produtos para a demonstração, pois os clientes visualizam os itens por meio das fotos no site. Além disso, você tem um prazo de entrega da mercadoria para o consumidor.

Apesar de a loja virtual não ter a obrigatoriedade de manter um ponto de venda (PDV), essa prática é recomendada para aumentar as saídas dos produtos, já que muitos clientes preferem a alternativa de retirar o produto na loja. Por isso, contar com esse recurso aumenta a vantagem competitiva.

Outra consideração importante sobre o ponto de venda é o horário de funcionamento. Enquanto as lojas físicas funcionam em horário comercial, o e-commerce funciona o tempo todo, ou seja, 24 horas e 7 dias por semana.

O alcance das vendas também é importante. Enquanto nas lojas físicas as vendas são direcionadas aos consumidores locais, a loja online tem abrangência nacional e até internacional.

Entrega de produtos

A logística é outro ponto de diferença entre os dois modelos. Na loja física o cliente entra, escolhe o produto e, se for um item que caiba em seu carro, pode levar a mercadoria no mesmo momento. Já em caso de itens maiores, a loja faz a entrega na residência.

No caso de troca, o cliente leva o produto à loja ou, se o item for muito grande, solicita a retirada em residência. Em lojas virtuais a entrega é feita pelos Correios ou por meio de transportadoras. Portanto, leva um tempo até que a mercadoria chegue ao consumidor e, no caso de trocas, é preciso fazer a logística reversa.

Atendimento ao cliente

Na loja física existe o contato direto entre o vendedor e o cliente. Essa proximidade torna o processo de vendas mais humanizado. Com isso, há maior possibilidade de convencer a pessoa a levar um produto se o vendedor for convincente e habilidoso.

Entretanto, quando o cliente faz uma visita ao estabelecimento apenas para olhar a vitrine, não há como oferecer a ele a oportunidade de acompanhar as novidades. Já na loja virtual, é possível sugerir que ele assine uma newsletter para que receba as ofertas da loja no e-mail, o que aumenta a possibilidade de retorno.

Saiba como fazer a integração de varejo físico e online

Existem grandes lojas que começaram na internet e, depois, montaram as lojas físicas e vice-versa. Promover a integração entre o varejo físico e online é a maneira perfeita de aumentar o faturamento. Confira o que é preciso para fazer essa tarefa e crescer na internet e no comércio local.

Utilize estratégia omnichannel

Conciliar loja física e virtual é uma excelente oportunidade para melhorar a experiência de compra do consumidor. A utilização de estratégia omnichannel permite que o cliente visite uma loja física, escolha o produto, pague e o receba em casa. Ou seja, é uma mistura das duas formas de serviços.

Dessa forma, o consumidor tem a possibilidade de conferir o produto visualmente e ter a facilidade de recebê-lo em casa. O mesmo processo vale para o cliente que prefere comprar pela internet e retirar na loja. Essas são situações inversas e complementares que têm o objetivo de oferecer melhor qualidade no atendimento.

Escolha os canais de venda

A integração entre a loja física e online possibilita a diversificação dos canais de venda. Por exemplo, é possível ter uma loja virtual e vender em marketplaces ou, ainda, escolher as duas alternativas. Isso porque, apesar de esses dois modelos facilitarem a venda pela internet, existem diferenças entre eles.

A loja virtual funciona sob uma plataforma de e-commerce e de maneira individual, ou seja, para se destacar é preciso ganhar visibilidade na internet. Já os marketplaces são bem semelhantes aos shopping centers, pois oferecerem uma plataforma para que diversas lojas virtuais vendam os produtos.

A grande diferença, portanto, é que os marketplaces já contam com boa visibilidade na internet. Isso amplia consideravelmente as chances de venda e a lucratividade da loja.

Faça uma boa gestão

A boa gestão da loja é um fator determinante para o sucesso na integração entre loja física e a virtual. As informações devem ser consistentes e se concentrarem em um único ambiente. Por isso, a utilização de sistemas de gestão é essencial nesse momento, já que permite o gerenciamento da loja por meio de uma única interface.

Um ponto essencial na gestão é manter um controle de estoque eficiente. Um dos erros ao vender em marketplaces, por exemplo, é ter o estoque desatualizado, o que pode gerar muitos prejuízos para o lojista.

Se um cliente compra um produto que não tenha em estoque, o lojista terá que solicitar com o fabricante ou com o distribuidor com urgência, o que pode atrasar o prazo de entrega. Outra possível consequência é ter que cancelar o pedido, ação que prejudica a imagem perante o consumidor.

Veja as dicas para atuar no varejo

Para alcançar o sucesso de vendas no varejo é preciso dedicação, planejamento e organização. Confira algumas dicas para criar uma estratégia de vendas eficiente.

Conheça o público-alvo

O primeiro passo para uma boa estratégia de vendas é identificar o público-alvo. Com base no perfil do consumidor será mais fácil criar ações de marketing voltadas a ele. Além disso, esse conhecimento permite um melhor planejamento sobre os itens em estoque, canais preferidos de vendas, entre outras informações relevantes.

Estabeleça metas reais

Outro ponto importante para atuar no varejo é o estabelecimento de metas. É preciso determinar o quanto a loja pretende crescer. Entretanto, as metas devem ser realistas, pois de nada adianta almejar um crescimento muito grande se não houver um investimento para isso.

Por exemplo, um dos pré-requisitos para vender em marketplace é garantir eficiência no envio dos pedidos. Por isso, a loja deve ter uma logística bem planejada para suprir essa necessidade e, com isso, atingir a meta de vendas por meio desse canal.

Analise os indicadores de desempenho

Por meio da análise de indicadores de vendas é possível avaliar a evolução da loja, bem como verificar o potencial de crescimento do negócio. Além disso, essa tarefa permite a identificação de problemas e pontos que podem ser melhorados para aumentar as vendas e o atendimento ao consumidor.

Ofereça um bom atendimento ao consumidor

Para oferecer um bom atendimento ao consumidor é preciso atender a uma série de fatores responsáveis por proporcionar ao cliente o grau de satisfação desejado. Para isso, é necessário manter profissionais bem treinados para oferecer um suporte cordial, proativo e bem informado.

Além disso, deve-se oferecer canais de atendimento eficientes para que, caso ocorra algum problema durante a venda ou após a entrega do produto, por exemplo, o cliente consiga ser atendido de maneira satisfatória e tenha o problema resolvido.

Conheça as tendências para o varejo 2020

A cada ano surgem novas tendências para o setor, e o uso da tecnologia é responsável por grande parte delas. Confira, a seguir, algumas das principais tendências do varejo online para 2020.

Entregas no mesmo dia

Um dos grandes desafios do comércio virtual é a entrega dos produtos. A cada ano surgem novas facilidades logísticas, o que permite maior agilidade. Uma das tendências para o futuro é a utilização de drones para a entrega de pedidos com um prazo de até 30 minutos após a solicitação.

Comprar por meio das redes sociais

Diversas lojas já utilizam as redes sociais como forma de divulgação de produtos. Além disso, elas também usam esse canal para efetivar a venda. A tendência para os próximos anos é de haver um aumento considerável nesse sentido.

Lojas físicas como ponto de distribuição

Outra atividade que já ocorre e tem a tendência de aumentar é a utilização das lojas físicas como ponto de distribuição de produtos. Dessa forma, o consumidor faz a compra pela plataforma online e escolhe o estabelecimento mais próximo para fazer a retirada da mercadoria.

Utilização da Inteligência Artificial

A IA é outra grande tendência para o futuro do varejo. A tecnologia permite tanto o estudo do comportamento do consumidor quanto a análise do valor oferecido pelo concorrente. Dessa forma, consegue produzir ofertas irresistíveis ao cliente e com prazo de validade, o que passa a sensação de urgência e induz a ação da compra para não perder a oferta.

Outra possibilidade da IA é pesquisa virtual por meio de imagem, semelhante ao recurso oferecido na rede social Pinterest. A utilização do recurso permite uma busca completa a vários sites que tenham produtos similares ao da imagem pesquisada.

Aproveite as novas tendências do varejo

Com tudo o que vimos até aqui, percebemos que o surgimento do varejo online trouxe novas oportunidades para a loja física. Hoje, a união entre os dois modelos é uma tendência que proporciona inúmeros benefícios, tanto ao lojista quanto ao consumidor.

Vimos, também, que é possível fazer a integração entre os dois modelos, basta ter atenção com questões importantes, como utilizar tecnologia omnichannel, escolher os canais adequados e ter especial atenção com a gestão.

Portanto, aproveite o conteúdo apresentado neste guia completo sobre o que é varejo e as principais tendências e coloque essas ações em prática na loja para aumentar as vendas e se destacar da concorrência.

Gostou deste conteúdo sobre varejo físico e online? Então confira nosso artigo 5 ações para aumentar as vendas quando o comércio está parado!

Venda mais com o Olist

+ Nenhum comentário

Adicione o seu