8 sinais de que você deve vender em marketplaces


8 sinais de que você deve vender em marketplaces
5 (100%) 5 votos

8 sinais de que você deve vender em marketplaces

Alguns comerciantes têm certa resistência a vender pela internet. Eles acham que isso não é lucrativo, que exige muito investimento ou até que seu público não está presente no ambiente virtual. Esses mitos, no entanto, são descartados quando colocados frente aos números do e-commerce. Só em 2017, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 47,7 bilhões de reais, conforme a 37ª Webshoppers, pesquisa realizada pela Ebit. E a tendência é que o crescimento seja contínuo.

O comércio online vem atraindo cada vez mais lojas de varejo físico por conta da praticidade das vendas. Sem depender de uma grande estrutura, o lojista  pode administrar seu negócio, acompanhando os pedidos, os pagamentos e a satisfação dos clientes. Além disso, empresas conseguem alcançar novos públicos, seja por segmentos ou regiões geográficas.

Porém, as vantagens de trabalhar com canais digitais são muito maiores, especialmente em relação aos marketplaces. O investimento necessário para ingressar em um mercado virtual é mínimo comparado à receita que ele gera às empresas parceiras. Se você acha que esse mercado não é para o seu negócio, listamos a seguir 8 sinais que podem fazer você mudar de ideia!

Contrate o olist agora mesmo

1. A empresa quer reduzir despesas sem perder vendas

Manter uma loja física demanda grandes custos fixos, como aluguel, energia elétrica e contratação de funcionários. Mesmo com tanto investimento, nem sempre o ganho é certo. Por outro lado, atuar em marketplaces é muito mais barato e prático.

Não é preciso pagar hospedagem nas plataformas em geral, os principais custos dizem respeito às comissões, que variam de acordo com o canal. Outra vantagem é o lojista controlar grande parte do processo de venda remotamente, como as etapas de compra e pagamento.

Esses benefícios são muito importantes principalmente para quem está começando a própria empresa agora e não tem capital de sobra. Por meio dos marketplaces, é possível aumentar a rentabilidade sem inflar proporcionalmente os custos do negócio. Em resumo: você otimiza as vendas investindo pouco.

2. A loja deseja aumentar o faturamento

Os mercados virtuais podem aumentar o faturamento das empresas à medida que representam um novo canal de vendas. Atuar nesse tipo de plataforma é uma boa forma de ampliar o público-alvo e fidelizar os clientes, fazendo crescer, dessa forma, os ganhos da marca. Lembre-se: as pessoas cada vez mais compram pela internet.

Pensando nisso, associar diferentes canais de venda é uma excelente estratégia comercial. Se o varejista físico também estiver presente em marketplaces e e-commerces, por exemplo, ele certamente irá impactar um número maior de pessoas do que vendendo simplesmente em uma loja física. Com isso, haverá mais canais de aquisição de clientes e, consequentemente, será maior a lucratividade do negócio.

3. Pretende ampliar a abrangência geográfica

Estar presente em marketplaces é excelente para quem deseja alcançar públicos de outras regiões geográficas, algo que a loja física não permite. Os mercados virtuais atendem a milhares de pessoas de diversas cidades e com gostos variados. Ou seja, a possibilidade de conquistar novos clientes é muito alta.

Isso é especialmente eficaz para quem trabalha com nichos de mercado. Por terem uma demanda menor, é importante que esses produtos sejam expostos para um número maior de pessoas.

Se você já é referência na venda de determinado produto em sua cidade, por que não atuar também nos marketplaces e, assim, apresentar os seus produtos a novas pessoas? Com isso, a credibilidade e reconhecimento da sua marca irão aumentar ainda mais e passarão a integrar o mundo dos negócios virtuais.

4. Quer ganhar visibilidade para a marca ou os produtos

Imagine o seguinte cenário: uma determinada empresa já alcançou a maturidade, com todos os processos estruturados e um público fidelizado. No entanto, o lojista quer aumentar o número de clientes e divulgar ainda mais a marca, mas não sabe como. Se identificou com esse contexto? Então esse tópico é bem importante para você.

Os marketplaces são como shopping centers: têm centenas de lojistas, que vendem inúmeros produtos a milhares de pessoas. Consequentemente, essas plataformas costumam ter milhões de acesso – os 10 maiores marketplaces brasileiros rompem a barreira de 100 milhões de visitantes únicos mensais.

Se a marca estiver presente em um canal desse tipo, é muito mais fácil o consumidor entrar em contato com ela e se tornar cliente recorrente. Nesse sentido, vender em mercados virtuais é uma ótima ferramenta para quem quer ganhar visibilidade no mundo online sem fazer grandes investimentos.

Inscreva-se no nosso canal

5. A loja tem um grande estoque parado

Estoque parado é prejuízo. Portanto, é preciso sair da inércia e colocar os produtos no mercado. Uma maneira rápida e fácil de fazer isso é por meio dos marketplaces. Como já explicamos, essas plataformas trazem muita visibilidade às marcas, alcançam públicos de diversas regiões e otimizam as vendas.

Nessa lógica, os mercados virtuais permitem que os lojistas deem vazão aos produtos parados e trabalhem sob demanda do público, sem a necessidade de manter grandes estoques. Com isso, o fluxo financeiro da empresa não fica travado e a rentabilidade aumenta.

6. O negócio atua com produtos de nicho

Você trabalha com nichos de mercado? Então fazer parte de um marketplace é a melhor opção para aumentar as vendas. Isso porque há plataformas desenvolvidas para segmentos específicos, como a Dafiti, que vende artigos de moda, a Elo7, focada em artesanato, e a Mobly, que comercializa móveis e itens de decoração.

Alguns nichos mais específicos têm uma demanda menor de compra, mas uma alta taxa de conversão. Isto é, o cliente que procura determinado item é aquele que, de fato, pretende adquiri-lo. Nesse aspecto, atuar em um marketplace permite que o lojista disponibilize as mercadorias conforme o interesse do público.

Nos mercados online, os produtos de nicho conseguem se destacar e são efetivamente colocados à venda para potenciais clientes. Em outras palavras, o lojista encontra seu público-alvo.

7. Está com os canais de venda saturados

Este tópico complementa o de número 4, que fala sobre aumento da visibilidade. Ele vale principalmente para as empresas que têm investido pesado em marketing e publicidade para o próprio e-commerce, mas que não veem isso se traduzir em aumento real das vendas.

Ao invés de gastar com ações como Adwords e Face Ads, por que não optar por vender em marketplaces? Esse investimento extra pode ser canalizado para os mercados online com um efeito muito mais rápido e natural. Por meio dele, novos públicos serão impactados, e o aumento de buscas pelo seu produto acontecerá também de forma orgânica, se convertendo efetivamente em novas vendas.

8. Almeja aproximar a marca do consumidor final

Esse tópico é especialmente voltado a marcas, fabricantes ou indústrias que desejam se aproximar do consumidor sem estruturar uma cadeia de suprimentos ou rede de distribuição. Para vender em marketplaces não é preciso intermediários, já que a própria plataforma cumpre esse papel.

Tal formato pode ser aplicado às relações de consumo D2C, que acontecem entre fabricante (ou distribuidor) e cliente final. É o clássico caso do “preço direto de fábrica”. A estratégia vale para a venda de produtos como eletrodomésticos, automóveis, roupas e calçados. Isso pode ser muito benéfico para a empresa, já que corta intermediários e torna mais próxima a relação entre lojista e consumidor.

Conclusão: vender em marketplaces pode ser a solução para os seus problemas!

E então, lojista, a sua empresa apresenta alguns dos sinais que citamos acima? Se a resposta for sim, investir nos mercados virtuais pode ser a solução para os seus problemas. Além da praticidade que o mundo online oferece, os marketplaces otimizam as vendas de produtos de nicho, dão maior visibilidade às marcas e, em resumo, possibilitam o aumento das vendas sem a necessidade de grandes investimentos.

Estar presente em mercados virtuais é mais barato e acessível do que ter o próprio e-commerce, que exige gastos muito maiores. No entanto, caso você já tenha a loja online própria, use os mercados virtuais para ampliar ainda mais a penetração da sua marca. Como explicamos neste post, investir em diferentes canais de vendas pode trazer resultados muito lucrativos para sua empresa.

Você ficou satisfeito com esse material? Então descubra como entrar e vender em marketplaces!


 

+ Nenhum comentário

Adicione o seu