Correios em greve: 7 dicas para não prejudicar suas vendas


Correios em greve: 7 dicas para não prejudicar suas vendas
4.8 (96.36%) 11 votos

Greve dos Correios: 7 dicas para não prejudicar suas vendas

Os Correios são a principal empresa de entrega de mercadorias no Brasil, atendendo desde pequenas lojas até as gigantes redes de departamentos. Para se ter uma ideia, mais de 33 milhões de objetos são distribuídos por dia, conforme dados da própria estatal.

Tamanho porte faz com que milhares de lojistas de todo o país utilizem os serviços da empresa para enviar os pedidos recebidos pela internet. Muitos dependem exclusivamente da estatal para conduzir toda a operação de entrega.

Como em qualquer setor produtivo, eventualmente a empresa pode entrar em greve, pegando lojistas e consumidores de surpresa. A paralisação nunca envolve 100% dos funcionários, por uma determinação jurídica, mas ainda assim a pontualidade das entregas pode ser afetada.

Com um bom planejamento, é possível minimizar os riscos que a greve dos Correios pode ocasionar ao seu negócio. Confira a seguir as dicas que separamos para você não deixar a paralisação prejudicar suas vendas.

contrate o olist agora mesmo

Dica 1: antecipe as postagens

Os funcionários dos Correios costumam entrar em greve no mês de setembro. Mas antes da paralisação ser deflagrada é possível identificar rumores e indicativos de que o fato irá acontecer. Ao perceber esses sinais, busque antecipar as postagens para tentar driblar os atrasos na entrega. Quanto mais cedo a postagem ocorrer, menor a chance do envio atrasar.

Dica 2: ajuste os prazos de entrega

Seja no seu e-commerce próprio ou dentro dos marketplaces, outra dica útil é aumentar os prazos de entrega nas tabelas de frete. Assim, o consumidor vai realizar a compra ciente do tempo de entrega do produto, evitando possíveis reclamações por atraso.

Dica 3: faça uma comunicação clara para os clientes

Durante o período de greve, é comum aumentar o número de chamados abertos pelos consumidores, principalmente em relação ao prazo de entrega dos produtos. Então, reforce o trabalho de atendimento ao consumidor e esteja pronto para esclarecer dúvidas no menor tempo possível.

Lembre-se que talvez o consumidor não tenha conhecimento sobre a greve dos Correios. Portanto, avise antecipadamente seus clientes que os envios podem atrasar em função da paralisação. Agradeça pela compreensão e diga que está fazendo o possível para oferecer o melhor atendimento.

canvas olistDica 4: procure serviços de entrega alternativos

Caso a greve assuma grandes proporções, considere a possibilidade de enviar seus produtos por transportadoras e pesquise por outras empresas que ofereçam serviços de entrega. O e-Total, por exemplo, faz a coleta gratuita de mercadorias, sendo voltado para pequenos e médios e-commerces.

A Mandaê é outra opção para enviar suas encomendas. A empresa cuida de toda a operação logística do negócio, incluindo a coleta e embalagem do produto. Os envios são realizados pelos Correios e transportadoras parceiras.

Se você precisar fazer uma entrega expressa, pode considerar a Loggi como alternativa. A empresa é focada em envios programados para o mesmo dia ou o dia seguinte, contando com o serviço de motoboy para fazer a coleta e envio dos produtos.

Essas são só algumas das várias opções que você pode cogitar contratar. Antes de escolher a melhor alternativa para o seu negócio, fique atento às regiões de atuação de cada empresa, pois muitas vezes elas acabam por atender apenas uma área restrita.

Também avalie o impacto financeiro dessa decisão, pois em muitos casos o cliente já pagou pelo frete dos Correios, com a geração automática da etiqueta de postagem. Dessa forma, se você utilizar um serviço de terceiros estará dobrando o custo de frete.

Dica 5: não interrompa sua operação

Como os Correios estão em greve, talvez você possa deixar para embalar os pedidos mais tarde, não é mesmo? Negativo! Seu negócio não precisa aderir ao movimento, portanto não interrompa a operação. Fature, separe e embale os pedidos normalmente, como se não houvesse paralisação acontecendo.

Poste seu produto na agência dos Correios mais próxima e aguarde pelo envio da mercadoria, caso não tenha optado por nenhum serviço alternativo de entrega.

Dica 6: não cancele pedidos por conta própria

Outra dica muito importante é evitar o cancelamento do pedido. Além de ser considerada uma infração ao Código de Defesa do Consumidor, esse tipo de solicitação realizada por parte do lojista também abre margem para processos e pode prejudicar a reputação da loja online.  

Se a solicitação partir do consumidor, lembre-se de quem você deve atender e respeitar as normas do CDC.

Dica 7: ofereça frete grátis como compensação

Uma estratégia preventiva para não perder vendas é oferecer frete grátis e, em contrapartida, aumentar o prazo de entrega dos pedidos. Se o cliente não tiver pressa em receber o produto, essa opção pode ser um excelente diferencial para a decisão da compra.

Antes de arcar com os custos dos fretes, faça as contas e tenha certeza de que o impacto financeiro dessa decisão será positivo para o negócio.

Conclusão: não tenha pânico na greve

Não há motivos para desespero durante a greve dos Correios, mesmo se a estatal for o único meio para enviar os seus pedidos. Lembre-se de que uma porcentagem mínima de trabalhadores se mantém realizando a separação e distribuição dos produtos e, além disso, a paralisação dificilmente ocorre em todas as regiões do país. Com as dicas apresentadas neste post, você pode superar o período de greve e quando menos perceber, já estará operando normalmente.

Ainda tem dúvidas sobre como não deixar a greve dos Correios prejudicar suas vendas? Então confira este post que apresenta 5 opções de serviços de entrega para as lojas virtuais.


+ Nenhum comentário

Adicione o seu