Principais barreiras de entrada do e-commerce (e como superá-las!)


Principais barreiras de entrada do e-commerce (e como superá-las!)
5 (100%) 2 votos

Principais barreiras de entrada do e-commerce (e como supera-las!)

Quais são as principais barreiras de entrada do e-commerce?

Com o surgimento de novas ferramentas e serviços que permitem a criação de uma loja virtual em poucos cliques, esse setor parece acessível a qualquer um.

Na prática, contudo, essa é uma visão limitada e arriscada.

Até pode ser fácil criar um e-commerce do zero, mas isso não representa qualquer garantia de sucesso.

Empresas que já estão consolidadas nesse mercado possuem uma série de vantagens competitivas que acabam se convertendo em barreiras de entrada para os novatos.

Superá-las nem sempre é fácil, mas trata-se de um objetivo possível.

Listamos neste post as principais barreiras e como elas podem ser contornadas por qualquer lojista. Acompanhe!

ESTÁ SEM TEMPO? QUE TAL OUVIR UMA NARRAÇÃO EM ÁUDIO DESTE POST?

contrate o olist agora mesmo

Barreira #1: Implementação da plataforma 

Mesmo com a existência de ferramentas que simplificam e barateiam a criação e atualização de um site de e-commerce, esse é apenas o primeiro passo na criação do negócio.

É preciso ter certeza de que o site utilizado cumpre requisitos básicos de segurança dos dados pessoais e de pagamento dos consumidores.

Também é necessário assegurar que todos os sistemas complementares a loja estão em pleno funcionamento, tais como: interface de cálculo de frete, ferramentas de acompanhamento da jornada do cliente, ERP para controle de estoque e preços de venda, entre outros.

Para isso, o gestor da loja virtual precisa deter certo conhecimento da área de tecnologia, mesmo que isso não fique sob sua responsabilidade direta.

Essa curva de aprendizagem pode levar certo tempo, afetando a competitividade do negócio e o desempenho comercial.

Quem está a mais tempo em atividade nesse setor já possui o conhecimento dessas particularidades, estando em vantagem frente aos concorrentes.

Barreira #2: Divulgação e consolidação da marca

Há um pequeno grupo de redes varejistas que concentra boa parte da audiência e das vendas no comércio eletrônico brasileiro.

Isso está relacionado a diversos fatores: associação a grandes marcas do varejo físico, longo tempo de atuação no setor, investimentos massivos em publicidade, senso de credibilidade frente aos consumidores, entre outros.

Um lojista que está começando do zero provavelmente não terá nenhuma dessas vantagens ao seu dispor.

Assim, será preciso atrair uma audiência relevante e convencê-la de que sua loja é uma opção relevante para a compra.

Isso pode exigir investimento massivo em publicidade, de modo a ampliar a visibilidade da marca e estimular mais conversões.

Entretanto, nem todas as empresas que estão começando tem recursos suficientes para executar esse tipo de ação.

Barreira #3: Manutenção de um serviço de qualidade

kit de listas olistMais desafiador do que é a criação de uma loja virtual é a sua manutenção.

Existem custos que envolvem desde a operação básica do site, como servidores, até o controle de fluxo de caixa e a gestão de pedidos e entregas.

A medida em que o volume de pedidos aumenta, o e-commerce terá que continuar realizando envios dentro do prazo, sem cometer erros.

Em paralelo será necessário repor o estoque, para evitar rupturas.

As ações de divulgação também precisam continuar sendo realizadas, para garantir a visibilidade da marca.

Por fim, a empresa terá que cumprir todas as obrigações legais e tributárias, tais como pagamento de impostos, emissão de notas fiscais e prestação de contas.

Isso eleva drasticamente os custos operacionais do negócio e pode demandar mais mão de obra.

Grandes lojas já possuem essa operação consolidada, além de deterem recursos que permitem a otimização desses processos, criando outro diferencial competitivo frente aos entrantes.

Barreira #4: Concorrência com grandes players 

Já mencionamos algumas vantagens que os grandes grupos do e-commerce possuem em relação aos novos competidores.

Ainda assim, existem outros fatores que beneficiam essas empresas e merecem ser mencionados.

Um deles é o poder de barganha junto aos fornecedores.

Por adquirirem um volume muito maior de produtos, essas empresas conseguem negociar condições comerciais mais favoráveis, que acabam sendo repassadas aos consumidores.

Com isso, é possível atrair um volume substancial de potenciais clientes.

Também há a oferta de uma série de benefícios que visam incentivar a fidelização, tais como oferta de bônus, descontos e meios de pagamento alternativos (cartões de crédito customizados, por exemplo).

Por fim, os grandes grupos oferecem uma série de meios de interação com os consumidores, como televendas, aplicativos mobile e sites customizados que configuram outro diferencial competitivo frente aos entrantes.

Alternativas para contornar as barreiras

Ao listar todas essas barreiras o objetivo não é desestimular quem está interessado em abrir uma loja virtual, mas sim apresentar um prognóstico realista sobre esse setor.

Além disso, existem maneiras de contornar essas barreiras e conquistar espaço dentro do e-commerce.

Uma opção factível é investir em mercados de nicho, nos quais nem sempre as grandes redes varejistas conseguem atuar de forma consistente e customizada.

Investir em produtos exclusivos e um diferencial de serviço pode compensar todos os empecilhos já citados.

Outra opção é atuar em parceria com as grandes redes varejistas: assim funciona o conceito de marketplace.

Nesse modelo o lojista aproveita toda visibilidade e reputação dos grandes sites para expor seus produtos, sem ter que investir em uma plataforma própria.

O investimento de tempo e dinheiro para estruturar uma operação de venda nos marketplaces também é muito menor, com riscos controlados.

Conclusão: não existe almoço grátis

O mantra clássico da economia de que “não existe almoço grátis” também vale para o e-commerce.

A aparente facilidade de acesso a esse mercado oculta uma série de barreiras a entradas que nem sempre são notadas por empreendedores iniciantes.

Conhecê-las e se preparar para lidar com elas é o primeiro passo para ser bem-sucedido.

Também vale a pena recorrer a soluções complementares, como os marketplaces, para que os resultados apareçam ainda mais rapidamente.


Você já enfrentou essas barreiras de entrada no seu e-commerce? Compartilhe sua história com a gente!

Este post em áudio:


+ Nenhum comentário

Adicione o seu